10 março 2011

Pelo fim da escola de técnicos gaúchos (ou respeitem o Brandão)


Só pelas expressões rebuscadas e que quase sempre dizem nada, o cuzão disfarçado de técnico do
Corinthians não mereceria seu emprego. Mas ele está lá, dando seqüência a algo que outros dois indivíduos da maldita escola de técnicos gaúchos que o antecederam vinham fazendo. Nunca o Coringão repetiu tantas formações táticas covardes como nos últimos três anos, seja com o mano dos empresários, com o zé-lelé ou agora, com o tilte. Cansei de ver a zaga falhando porque íamos desembestados ao ataque, mas nunca por deixar times medíocres do interior dominar as ações em pleno Pacaembu.

Os tempos mudaram - e como mudaram, pois babaquinhas das palmas hipócritas e devotos do marquetim roxemberguiano transformaram o Templo Sagrado num lugar para correio elegante - e agora somos obrigados a aturar uma linhagem que parece tomar conta do futebol brasileiro, há muito tentando se equiparar aos moldes europeus. Como estamos cá, o produto final é uma total falta de organização em campo, fruto da preocupação com números da famosa "produtividade". Porém, já que gostam tantos de números, vamos a eles. Alertava ontem o Filipe, na saída do jogo, que a porcaria campineira sem títulos é um dos maiores fregueses do
Timão. De fato, dos 125 confrontos, vencemos 73 e perdemos apenas 22. Assim, é vergonhoso o medo de emparedar um adversário com esse retrospecto.

Aprofundemos ainda mais a análise: quem tira os dois laterais diante de um oponente excessivamente retrancado não pode saber o que está fazendo. Pior ainda é o sujeito perceber sua cagada e rolar na merda, colocando um bisonho meia-atacante na lateral. Caso tudo isso não seja suficiente para deixar claro o que se quer mostrar aqui, a demissão estaria justificada pela coletiva pós-jogo, uma cereja no bolo em que o pazzo disse estar pensando no Brasileiro e, portanto, antevendo o fracasso nesse Paulistão.

Não podemos mais alimentar essa linhagem de treinadores que trabalham vislumbrando a derrota e consideram a zaga como primeira linha do time. A história do Corinthians não nos permite cautela, receio ou vacilação. Não entrarei nem no mérito da fragilidade do elenco, tampouco cometerei o devaneio de considerar que não se deve fazer marcação forte. No entanto, se é para perder, que seja atacando, e não acuado, como vem acontecendo.

FORA TITE!

CORINTHIANS PARA CORINTHIANOS!

5 comentários:

Filipe disse...

Samurai, teu poder de concisão é pra ser ensinado.

FORA tilte!
FORA corja imunda!

Marcus disse...

http://www.youtube.com/watch?v=Y0HywLIikMI


sem mais

Binóculo Verde disse...

Papel cumprido!!!

A única coisa boa da derrota pra gambazada foi a permanência do EmpaTITE comandando os lixos...

Craudio disse...

Porco comemorando derrota no clássico. O esforço pelo apequenamento é diário.

Filipe disse...

Quando as lunetinhas só olham o quintal do vizinho...
O matarazzo e o ragogneti tinham "planos" melhores para o quinze de jaú da avenida antárctica...

CORINTHIA i basta!