21 agosto 2011

Um DEDO de prosa


Há certos momentos em que sentimos a necessidade de quebrar um pouco a linha de conduta para que alguma coisa mude, ao menos para nós mesmos. Talvez prevendo outra vergonhosa apresentação do Corinthians em pleno Templo Sagrado, São Jorge mandou um sinal: tire esse nó da garganta e xingue a besta que habita o banco alvinegro até ficar afônico.

Estivemos nessa missão Filipe, Daniel, Thiago (irmão do Daniel) e eu à beira do alambrado da numerada na referida partida. De minha parte, com o único objetivo de infernizar a vida do senhor adenor leonardo bacchi. Escuto patrulheiros bradando "abandonaste o Corinthians!", e a esses digo que não consigo ficar inerte à ineficienciabilidade de tite. Vira e mexe, afirmo que o Corinthians em campo é o reflexo da torcida na arquibancada. O papelão no gramado foi nada mais que a extensão da bunda-molice e do silêncio irritante lá das organizadas, dos quais não fui colaborador. Entre o papelão e o "abandono", que para mim foi "fazer o que está ao meu alcance", fiquei com a segunda opção.

Logo aos dez minutos de partida - e já havia tempo suficiente para a múmia ter posicionado todo o time na área de defesa em um escanteio adversário -, mandamos meia dúzia de palavrões e ironias quanto à opção tática (tática?) de adenor, no que fomos prontamente respondidos com um dedo do meio. Mas não foi assim um dedo do meio com vontade, de gaudério macho (gaudério macho?). Cagalhão como é em tudo na vida, tite tratou de escamotear o insulto atrás do banco de reservas.

Esse dedinho, que durante os 80 minutos de partida subseqüentes foi motivo de sugestão ao próprio cu do treinador, recebi menos como insulto e mais como o cumprimento de nosso objetivo. Berrávamos, tão somente, que ele é burro e incompetente. Somente a verdade causaria tamanha intempestividade na réplica, feita, repito, de maneira covarde e na retranca. Oras, se aquilo dito no alambrado atingiu os nervos de tite, é porque ele mesmo se reconhece na burrice e incompetência.

Temos outras provas da insignificância de tite. Um abutre da rádio Tupi interpelou-me no início do jogo, querendo fazer graça e amizade. Enfiou o microfone na minha cara e pediu: "falae!" Prontamente, respondi: "tio, duas coisas: por que vocês se comportam como abutres e por que vocês não perguntam na coletiva como é que um time coloca onze jogadores na defesa na cobrança de escanteio e ainda toma gol". O carniceiro ignorou sua condição na cadeia animal, mas adorou a sugestão de pauta - registro que tive de repeti-la umas cinco vezes, pois o dito cujo devia ter déficit de atenção -, ainda que provavelmente não a tenha colocado em prática.

Mais ainda. No retorno do intervalo, o preparador de goleiros Mauri passou diante de nós e eu não perdi a chance: "Mauri, assume essa porra e manda o adenor passear!" A gargalhada que veio como resposta demonstrou claramente o nível de respeitabilidade que esse energúmeno dos pampas tem entre os próprios colegas de trabalho. Finalmente, o presidente Andrés Sanchez (FORA!), saindo de sua confortável cadeira coberta, escutou, calou e consentiu o pedido: "ainda dá tempo, Sanchez. Mande esse merda embora e contrate Márcio Bittencourt".

Eis então, caros irmãos corinthianos, a prosa que eu queria levar com vocês. A intenção é induzi-los a uma reflexão mais profunda de nossa realidade. Esqueça a liderança de campeonato tão efêmera quanto enganadora, esqueça os espelhinhos marqueteiros. É chegada a hora de escutarmos nosso coração e, por nós mesmos, aplicarmos o corinthianismo a marteladas (como diz sabiamente o mano Filipe). Se hoje o saldo é de apenas um dedo, amanhã podemos ter de volta o aceno respeitoso àqueles que pagam ingresso e amam o Corinthians.

*P.S.: Um grande parabéns à Estopim da Fiel, que levou sua faixa em homenagem ao Doutor Sócrates. Ao que parece, ele já está se recuperando e em breve estará pronto para mais uma porranca. FORÇA, DOUTOR!

10 comentários:

Filipe disse...

Fomos informar o guampudo cagalhão dos porquês dele merecer ser chutado.

Ele nos presenteou com a prova de todos os porquês.

Quem mostra o dedo pra FIEL merece o que?

VOLTA MÁRCIO!!!

AQUI É CORINTHIANS!!!

Craudio disse...

Na era das palminhas hipócritas, mostrar o dedo pra Fiel é caso para ser camuflado. Teve um outro aí que fez igual e é considerado "ídolo": http://blog.opovo.com.br/gol/files/2010/05/RONALDO.jpg

Ambos os dedos provam, por A+B, que quando analisamos o Corinthians com o coração, estamos sempre certos. Mesmo que pareça errado.

Evilaine Aquino disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marcos disse...

Puta que pariu! Como eu gostaria de poder estar xingando esse gaúcho filho da puta "in loco" como vocês fizeram!!! Mesmo a distância, aqui em MG, amaldiçoei esse desgraçado e quem o mantém no "comando".

*Essa porra de comentário foi errado com a ID do google da patroa...

Álvaro disse...

Muito bom!

Antigamente era super comum todo mundo se amontoar ali mesmo onde vocês ficaram e derrubar os cagões.

Mas a parte do Mauri foi a melhor.

Essa Incrível Escola Gaúcha de Técnicos já passou da hora.

elson jr disse...

Fora Tite! Quem ataca a Fiel,seja com dedo,língua ou até um simples sussurro não merece nem passar na porta do PSJ.
O Tite assim como Andrés Fora Sanchez,desafia a Fiel e cospem no corinthianismo".
Os que se calaram deram atestado de que chegamos ao limite! Vai Corinthians!

Ginaldsman disse...

Sensacional!!!
A imagem que ficou foi mesmo a saída bovina da torcida em silêncio. Isso não é Corinthians.

Vinícius Ayelo disse...

Esses xingamentos tinha que vir de todos os cantos do estádio. Infelizmente a arquibancada não é mais a mesma.

Chega de ver o maior de todos jogar como pequeno.

Fora, Tite!

BLOG DO REY FDL disse...

MEU TRUTA HÁ MUITO TEMPO VENHO FALANDO PRA TODOS OS MEUS AMIGOS Q O MARCIO BITTENCOURT É O TECNICO Q O NOSSO CORINGÃO PRECISA. INFELIZMENTE A TORCIDA ORGANIZADA Ñ ESTÁ CUMPRINDO MAIS O SEU PAPEL Q LUTAR PARA UM CORINTHIANS
MELHOR E ACEITA PASSIVAMENTE PERCA DE TÍTULOS,CAMISA ROSA,INGRESSO CARO E OUTRAS COISITAS MAIS.PARABÉNS PELO SEU BLOG

Craudio disse...

Amigos: agradeço as palavras e fico contente de ver que há ainda muita gente pensando na salvação do Corinthians. Reitero, ainda, que minhas críticas às organizadas são feitas com muito pesar e na tentativa de fazer com que algum de seus dirigentes, por sorte, caia neste texto e também faça a reflexão proposta aqui.

Insisto: o Corinthians em campo é o reflexo da torcida na arquibancada.