23 abril 2012

Confessionário


Valei-me, São Jorge guerreiro, neste dia em que poucos entenderão o recado que você mandou. Sei que deve partir teu coração dar essas duras lições em teus servos que, vez ou outra, esquecem dos teus preceitos. A cobiça e a empáfia jamais deveriam estar presentes no espírito dos seus seguidores, mas ultimamente o Corinthians planava sobre um chão perigoso, cheio de buracos.

Perdoai, santo guerreiro, aqueles que não enxergaram teu recado e simplesmente abandonaram o portão que o simboliza lá no Templo Sagrado, deixando que vagabundos da pior espécie aprontassem com a Fiel Torcida - de presença risível por conta do caríssimo ingresso e da bunda-molice - e fossem para casa tranqüilamente. 

Sei, por exemplo, que o senhor não engoliu muito bem aquela história de pseudo-corinthianos contestando uma das poucas idéias positivas dos canalhas das salas ar-condicionadas do Parque São Jorge, que sugeriram uma imagem tua em Itaquera. Sei, ainda, que escutar um incompetente falando asneiras como se fosse um sábio treinador, bem como aturar muitos descompromissados vestindo nosso manto, deve causar náuseas. O papinho de "não vamos aumentar os ingressos" e sangrar novamente o bolso do torcedor é outra dureza.

Teus ensinamentos, e só isso, São Jorge, me alentaram nesse último domingo tão desprezível. Para tudo há um propósito no caminho de luta que você lidera. Mais uma vez, o senhor escancara a todos que não devemos suportar um Corinthians excludente, sem alma e pactuado com a mediocridade que as chamadas "regras da vida" tentam nos impor. Pelo contrário, vem o senhor nos lembrar de nosso papel de referência e de contestação, facetas que marcaram o modus operandi de nossos ancestrais. 

Falando neles, garanta-lhes paz a todos, que hoje compartilham a raiva de cada coração alvinegro. Salve esses teus filhos brigadores que, quando solicitados, entraram em campo sincronizados com o seu povo e fizeram do Corinthians o gigante que ele sempre foi. Tranqüilize cada espírito corinthiano do plano superior.

Deste teu servo, santo Padroeiro, espere nada mais do que vontade de lutar contra o puteiro que se instalou em nossa casa. A prova de fogo se repete, como há 100 anos. Abençoai-nos, para que tenhamos a mesma força e sigamos os mesmos preceitos daquela gente que, contra todos os obstáculos, materializou o sonho do corinthianismo.

QUEM NÃO FOR CORINTHIANO VÁ PARA A PUTA QUE PARIU!

Um comentário:

elson jr disse...

Amém!