08 julho 2008

A bobagem do 9 de Julho


O feriado de amanhã comemora a "Revolução Constitucionalista de 32". Trata-se de uma das maiores asneiras que fizeram os paulistas em toda sua história. Parte de uma oligarquia que, desde o início da República, se alternava no Executivo, o Estado de São Paulo reforçava seu viés conservador, elitista e separatista no combate à Revolução de 30.

Liderado por Vargas, o governo pós-30 também representava outra elite. Porém, o velho gaúcho era sagaz e, para estancar o crescimento da esquerda no Brasil, deu início ao seu trabalhismo. Se você tem carteira assinada e os direitos da CLT, isso apareceu no governo Vargas.

Elite por elite, Vargas, ao menos, se dignou a dar mínimas condições aos trabalhadores. Até porque o estancieiro sabia que isso era mais do que necessário para garantir o apoio a sua ditadura. Já a paulistanada só queria saber mesmo era do seu café e do seu "progresso" e "modernização". Talvez a única coisa positiva que se pode tirar de 32 foi uma rara oportunidade de mobilização maciça dessa raça ignóbil que vive por aqui. Mesmo que por um ideal tão pouco nobre.

Resuminho porco do que foram os tensos anos 30 - quem quiser saber mais, estude - para dizer que São Paulo é a única cidade que não tem o endereço Avenida Presidente Vargas ou Avenida Getúlio Vargas. O que é nada mais coerente, já que temos aqui pontes e hospitais Octávio Frias e Júlio de Mesquita.

Portanto, amanhã é dia de sair gritando em plena Avenida 9 de Julho um "Viva o Trabalhismo de Vargas e Brizola!" Só pra tumultuar...

---------------------------------

Aos que estranham as parcas palavras sobre o Corinthians recentemente, é por pura falta de assunto. Estamos invictos, acabamos com mais uma bobagem da mídia e instauramos a Mentira Azul como termo incontestável nos anais do futebol e nem mesmo os recentes assaltos da "nova" diretoria merecem espaço, uma vez que eu já tinha avisado que isso aconteceria em dezembro de 2007. Se alguém se surpreende com a falta de transparência, é porque estava querendo acreditar em papai-noel.

4 comentários:

Raphaello disse...

Putz... queria até linkar esse texto lá no Cruz, mas aí a parmerada me mata... Valeu!

Raphaello disse...

quer saber? fuck, estou linkando.

filipe disse...

Ah, mas é bonito imaginar que "Paulistas um dia lutaram por liberdade"... hahahahahahahaha

Olha, eu tinha que relacionar a data do nascimento do moleque com o feriado, então cometi isso.

Eu vi um pessoal carregando a bandeira na Paulista. Virei pra uma véia no ponto da Brigadeiro, indo conhecer meu filho, e disse "essa paulistaiada tomou um coro e ainda comemora... que beleza..."
Ela olhou pra minha jaqueta do Corinthians, e disse "ué, você carrega a bandeira aí, no símbolo e fala assim?"
Falei: "é, mas o Corinthians é legítimo".
E fiquei amigo de uma senhorinha simpática, que gostou da minha resposta, apesar de acreditar em 32. Era uma Corinthiana, pouco praticante, mas era.

No fundo, nessa coisa provinciana tacanha metida a cosmopolita elitóide, essa paulistaiada alienada só quer a liberdade.

Que não vai ter, só por ser o que é.

Enfim, surge o fato novo. O dd e a "parceira" (e esse me surpreende não pela baixeza, mas pela burrice tremenda).
Dá caldo?...

VIVA O JOÃO!!!

Craudio disse...

Raphael: hahahahahahaha, manda bala. Quem não souber discernir os textos é porque não compreende o primeiro. Abraços!

Filipe: Parabéns ao mais novo pai da paróquia! Sobre a data, deve haver casos nobres que realmente valem a relação do João com o 9 de Julho. Principalmente de heróis anônimos que deviam realmente estar lutando por sua liberdade, acreditando em ideais totalmente diversos do governo paulista à época.

Sobre o dd, esse maluco está envolvido em tanta tramóia que preciso ler mais um pouco para achar um viés interessante e comentar sobre ele...