03 abril 2008

Clareia e descarrega


Hoje o dia acordou cinzento. Apesar de chover, logo veio o sol. Mas é certo que vai chover de novo. Como é certo que saiu dos meus ombros um peso que eu não precisava mais carregar.

Denominam-me extremista, mas sigo apenas meus instintos e ideologias. Poucas, mas coerentes e profundas. Às vezes, elas me fazem errar por contestar aquilo que não pode ser contestado. Vai saber...

O que importa são os que me agüentam. Sabem que já é tarde e que eu não vou mudar. Aliás, mudar só para "pior", cada vez mais teimoso, cada vez mais convicto. São a elas a quem deve qualquer prestação de contas.

Preocupo-me só com o que vem por aí. Essa moçadinha tão precoce para certas coisas - como arrebitar o nariz e não escutar o lobo mais velho - e tão ingênua para lidar com as armadilhas do tal mercado.


Feliz, estou feliz! E aliviado.

4 comentários:

evaodocaminhao disse...

temo, mas confio...

sei que coisas melhores estão reservadas pra vc

tem sido assim desde que te conheci

admiro sua capacidade para ainda manter ideais e não se vender ao sistema

um brinde ao futuro!

filipe disse...

Coragem, meu caro.
Você pode mais.

Mas falando em lobo mais velho... você já leu o primeiro capítulo do "O Livro da Selva", do Kipling, que inspirou o Mowgli, que veio o Valdisnêi e deu uma copiada/adulterada (mas pelo menos colocou umas boas músicas, que a Tetê adora)?
É exatamente isso. Os lobos jovens começam a não ouvir mais o lobo velho, que começa a perder o posto de chefe da matilha...
E começam a bandear para o lado do tigre assassino de crianças humanas, velho e manco, o Shere Khan.
Acho que o autor quis fazer um paralelo com as sociedades humanas. É uma imagem muito verdadeira.

Enfim, extremista é o escravo do falso conteúdo...

E VAI CORINTHIANS!!!

Forza Palestra disse...

O extremismo é um dom, meu caro.

Filipe disse...

É! De fato.
Quis dizer, entretanto, que o escravo do conteúdo, no caso, é o extremista pois ele próprio denomina extremista aquelo que ele acha que é bitolado, quando é ele o bitolado, o "extremista" que acha que o outro, no caso, é.

Abraço