02 dezembro 2009

O samba é a corda, eu sou a caçamba


"O tempo vai passando e o samba vai seguindo
O povo está feliz, cantando, sambando e sorrindo
E assim vamos nós tirando esse som que de dentro do peito nos sai
O samba balança porém não cai

Vem de alguns anos atrás essa grande estrutura
Pro samba poder suportar qualquer temperatura
Vem onda, sai onda e o samba está sempre aí
Firme e forte, com força para resistir"


Quando esta alma preta que desceu em cavalo errado fala de samba, a desconfiança sempre está presente. Só que eu gosto de ir onde o povo está, e nego batendo no couro do pandeiro me hipnotiza da mesma forma que uma bola no barbante. Criado no Estado da Guanabara - só podia ser lá! - para prestarmos tributo ao batuque, o 2 de dezembro é dia de celebrar a emoção que só uma roda de samba consegue proporcionar. Pense em quantas vezes você já chorou num pagode. Se a resposta for zero, recomendo mudança de ambientes...

Não há como não se comover com a riqueza de melodias e, principalmente, com o intercâmbio de energia que existe numa roda. Ao contrário do circo pré-programado das casas de shows, o samba é espontâneo e participativo. Não depende de nenhum palco, precisa só de pessoas. Seu caráter humano e popular induz ao engajamento coletivo, e tal poder faz com que seja tratado como coisa de bandido e marginal - qualquer semelhança com a torcida das arquibancadas não é mera coincidência.

Tenho plena consciência que meu fenótipo gera desconfianças, pois o cabelo grande e a ascendência oriental me associa rapidamente ao rock ou a qualquer outra coisa menos digna, tornando natural a torcida de nariz. Ainda assim, lembro que o samba é a pura representação sonora da mestiçagem característica do Brasil.

Cantemos todos nesse Dia do Samba para espantar os males, fulgurar nossa identidade cultural e - por que não? -, nos aquecer para o Carnaval que já está logo aí.

Salve o batuque! Salve a África! Salve o Brasil!

5 comentários:

Filipe disse...

Não sabia que era o dia do Samba, mano! É NÓIS!
VIVA O SAMBA! VIVA O POVO!
Dia do meu Pai...
Mas hein... Carnaval, Japonês?... hahahahahahahaha
*******

Estive pensando.
Perder pra eliminar a bixarada não é a mesma coisa que ganhar delas pra eliminá-las? O propósito e o resultado não são os mesmos?
É como já foi dito; whiskas sachê blá blá blá...
Mas se disser isso lá vem a OVRA que brotou no blogue do Seo Croce e quererá te expulsar.

Claudio Yida Jr disse...

Pô, Carnaval onde ele tem que acontecer: NA RUA E COM O POVO! E salve o pai!!!

Sobre o que você ponderou, eu tô até achando estranho, porque se porco queria que a gente ganhasse, estariam eles torcendo pras bicha? Esses romanos são uns neuróticos...

Filipe disse...

Esse desvio de foco é doentio. No caso dos bambis é mau-caratismo mesmo.

Agora... Depois de ontem, você acha que o frufru deixa o Cuca ir?

Bom dia, mano.

Mirian disse...

Sr.Corinthiano
Obrigada pela música Força do Samba, pois aqui, engatinhando na net achei a música que tanto pesquisei no google e...paranpanran...achei!Lavei a alma um tanto conturbada e ouvi,ouvi,ouvi,ouvi, até...não enjoei não! Não precisa ser só no dia do samba!Canto muito samba raiz e ele é lindo demais!E viva o grande LUIZ GRANDE que a compôs, né? Peguei a letra também! Vivaaaa! Porque sem entender bem eu a estava tirando pela rádio USP no programa O Samba pede passagem! Mas...assim está melhor! Tchau...vou ouvi-la mais uma vez,ok?
Amei o texto também!!
Obrigada!
Mirian Ramos

Claudio Yida Jr disse...

Valeu, Mirian! Obrigado pelas palavras, bom saber que as coisas que posto aqui têm sua finalidade contemplada, que é a de elevar essas coisas boas da vida. E salve Luiz Grande! Dias desses conto sobre um show dele que vi há uns anos...