30 junho 2008

Diferenças essenciais


Há duas semanas, fui ao trabalho de carro e peguei a Marquês de São Vicente. Chegando na esquina da avenida com a Rua Anhangüera, me deparei com a cena mais deprimente e triste dos últimos tempos. Retrato fidedigno de uma administração que há 13 anos comanda o Estado de São Paulo e há 4 está na capital. A imagem, tosca porque feita com um celular, segue abaixo:


Caso não dê para perceber, existem aqueles arames pontiagudos sobre o muro. Esse muro cerca o Centro Educacional e Esportivo Raul Tabajara. Junto à antiga gestão municipal, a UNE fechou um convênio com a prefeitura e assumiu a administração do lugar, onde desenvolvia oficinas culturais e apresentações por meio do projeto CUCA.

Inesquecíveis foram aquelas noites de sexta-feira, animadas pela roda dos fantásticos Inimigos do Batente. Foi uma época de ouro para todos que ali se amontoavam. Uma rapaziada maneira ia para lá escutar grandes músicas, tomar sua cerveja e exaltar a cultura popular. E como não falar, por exemplo, do aniversário do site Agenda do Samba & Choro?

Voltando ao projeto, ele findou assim que José Serra assumiu a prefeitura. Cadeados foram colocados nas portas e a cultura tomou um cartão vermelho. Tudo em nome de um tal saneamento de contas públicas. É, caros. Sanear contas de governo pra esse pessoal é tirar o pouco que o povo tem. Por isso mesmo os arames. Essa gentalha trata o povo como bandido, e condena um espaço cultural e educacional. Um aperto no peito me deu ao ver o Raul Tabajara com a cara de um presídio.

Essas sutis - mas gigantescas - diferenças de postura precisam ser avaliadas nesse ano. Temos que colocar nosso dedo na urna. E para não tomar um dedo em outro lugar, é preciso saber quais são as reais intenções daqueles que estão no pleito.


Um comentário:

filipe disse...

Faces da agenda política de destruição.

O povo já é burro musicalmente; eles conseguiram.
O povo já é burro futebolisticamente; conseguiram também.
O povo acha que o futuro está na televisão.

Tá "cansando"...