04 agosto 2008

Se eu cozinho ninguém tem nada com isso


Em meio às baboseiras que inventam por aí, eis que hoje descubro mais uma. Depois de inventarem os metrossexuais, ogrossexuais, überssexuais, as consultorias de mercado (???) criaram uma nova demanda consumista: os gastrossexuais.

Trata-se de - preparem-se - homens bem-sucedidos e bem-resolvidos que investem na culinária para conquistar as mulheres. Os ícones dessa turma são chefs como Olivier Anquier e Jamie Oliver, ao mesmo tempo "modernosos" e bons no fogão.

O que eu acho esquisito é esse papo de usar a cozinha como meio de sedução. Porque cozinhar, antes de tudo, é uma arte. Seria como alguém fazer música pra conseguir comer mulher. O que é absolutamente abominável, apesar de muito comum. Fora isso, imaginem o gastrossexual que convida uma moça ao seu moquifo. E, como cozinha bem, a moça vai gostar e vai encher o bucho de rango. Conclusão? Ela vai cair no sono e o camarada ficará literalmente na mão.

Fora isso, é estranho o termo gastrossexual. Parece mais aquelas bizarrices sadomasoquistas. Ao pé-da-letra, seria o gastrossexual um comedor de estômago? Ou um tarado que curte uma roçadinha na barriga?

Por essas e outras razões, se algum amigo se declarar gastrossexual e te chamar para comer alguma coisa preparada por ele, tome cuidado. Principalmente se o prato for à base de lingüiça ou nabo...

Um comentário:

proeva disse...

e os gases?

super romântico!