17 fevereiro 2010

Continua lindo...


Após mais um Carnaval e mais uma visita ao Rio de Janeiro, é dispensável afirmar o que diz o título deste post. No entanto, serei repetitivo porque somente ali a festa de Momo é plena e seus adeptos se sentem à vontade para encarnar o espírito da coisa. O calor senegalês que tomou conta da Cidade Maravilhosa durante os quatro dias em que Evinha e eu passamos por lá ajudou a tornar as coisas ainda mais fantásticas, ainda que minha carcacinha já baleada pelos anos pedia alguns arregos.

Tudo é bom porque tudo é na rua. Há espontaneidade, há a heterogeneidade social, há alegria incontrolável por toda a cidade. Mas, principalmente, há cerveja aos milhares, sendo vendida a preços honestíssimos, haja vista o negociante de 3 latas de Antarctica por R$5. O folião é o protagonista de tudo e os espíritos vagam pelos blocos desarmados. São multidões se acotovelando e sem nenhuma briga - obviamente que nos blocos do centro (há tempos não atravesso o Rebouças para nada). Existe alegria maior que chegar ao Rio às 8h da manhã e já abrir uma gelada, ou então ser recepcionado pelo Cordão do Bola Preta? Ainda que a prefeitura carioca tenha tentado estragar a festa com seu choque de ordem (onde estavam os banheiros?), tudo correu muito bem graças à habilidade do povo de se organizar.

Não consegui encontrar todos os amigos que por lá estavam ou que por lá moram devido aos fatores etílicos já tratados acima, e também não pude passar por todos os blocos que queria. Valem, porém, algumas palavras sobre a emoção indescritível que é pisar na Marquês de Sapucaí. Mesmo com grande parte da platéia não tendo o mínimo de noção do que seja o Carnaval e mesmo que eu tenha saído numa escola de merda, toda a história que o lugar carrega parece vir à tona quando se cruza a avenida.

Diante de tanta beleza e de tanta alegria, releva-se o fato a volta à realidade paulistana, releva-se o frango (mais um) que eu tive de ver na televisão no último sábado e todas as amarguras que possam aparecer daqui para frente. O Carnaval carioca é a renovação de energias perfeita para agüentar esses percalços, e em 2010 isso será mais do que necessário.

Salve o Rio!

4 comentários:

Filipe disse...

Mano, eu se fosse o Presidente do Corinthians fretaria uma caravana imensa de ônibus, cobraria 40 reais de cada Fiel Torcedor pelo transporte e lotaria o Maracanã todo fim de semana.
Alguém duvida?
60 mil Corinthianos, por baixo. Todo fim de semana.
Aí viria feldman tucano-bambi tentar lamber as bolas, como faz todo filhote de madame, mas a galera já iria se acostumar tanto a isso que o Maracanã seria a casa Corinthiana.
E de quebra cidadão veria uma beleza de cidade toda semana...

Só assim vale abdicar do Templo Sagrado.

E VIVA A CIDADE MARAVILHOSA!!!

Claudio Yida Jr disse...

Só assim, só assim!

E eu tô com mais vontade de pegar um busão no domingo e ir pra lá assistir à final da Taça Guanabara do que ir pra Barueri.

Fora Sanchez!

LuLa disse...

Com todo respeito:

O que posso entender por escola de merda?

Mais especificamente:

Qual é a escola de merda? Hehe

(só curiando mesmo)

Abraço!

Claudio Yida Jr disse...

Pegue a velha-guarda da escola e veja sua produção musical. Se não tiver nada de bom, é uma escola de merda. Ao menos, pra mim, isso é um critério hahahaha