01 setembro 2009

De geração em geração


Texto roubado do cabra da peste Vandré Fernandes, uma linda homenagem a todos os corinthianos que comemoram nossos 99 anos e que marca com brilhantismo o post de número 500 deste blogue (coincidência? Aguardem 2010...).

------------

De pai pra filho, de filho pra neto

Em seu leito de morte, vovô Lucas lembrava vagamente do passado, quando seu netinho chegou com um dvd pirata "23 anos e 7 segundos", de Di Moreti, sobre o Corinthians, seu time de coração.

O menino puxou uma cadeira e colocou o dvd. Seu avô esboçou um sorriso.

O filme foi trazendo imagens que seu Lucas conhecia bem, e fazendo-o sentir uma felicidade sem tamanho. Lembrou da final de 54, no “Quarto Centenário” contra o Palmeiras.

- Eu tinha 8 anos, mas estava lá... E o velho tosse, mas continua falando. Ganhamos o título.

Depois vieram os 23 anos de jejum.

- Talvez, 74 tenha sido um dos anos mais tristes da minha vida, disse ao lembrar da derrota na final contra o arquiinimigo.

E quando o filme começa a falar da final contra a Ponte, em 77, as lágrimas escorreram.

- Levei seu pai e seu tio nesta final, eles eram pequenos. Era uma quinta a noite, sua avó ficou tiririca. Seu Luca sorriu e continuou tossindo.

Seu neto, de 9 anos, afaga as mãos do velho marcadas de rugas e sofrimentos.

As lembranças de seu Lucas se afloram. Lembrou do casamento, do nascimento do primeiro filho, depois do segundo. Da viagem que fizeram para a Argentina. Lembrou do mundial de 2000 e do nascimento de Marcelo, mas para o velho era apenas "Neto".

- Olha Neto, vou te contar uma coisa, eles dizem que nós não sabemos o que é ser campeão da “Libertadores”, isso não tem problema, porque eles não sabem o que é ser corintiano...

Ele tosse.

- Ser corintiano é mais do que qualquer coisa, é até poder morrer feliz!

- Sabe Vô, minha mãe vive me falando pra eu torcer pro São Paulo. Pra não chatear ela eu não digo nada, mas quando o Corinthians entra no campo, eu fico tão feliz. Eu gosto do Corinthians!

Seu Lucas beija a mão de Neto.

Depois disso, ele viveu mais uma semana. A quem diga que o filme deu uma sobrevida para o moribundo, maloqueiro e sofredor...

Neto, no enterro do vô, vestiu pela primeira vez a camisa do Timão.


4 comentários:

Mônikita disse...

Ai que lindo...
Não tem como não chorar...

CORINTHIANS NOSSA VIDA, HISTORIA E AMOR!!!!

Filipe disse...

CLAP CLAP CLAP CLAP

Lembrei do meu Vô. E lágrimas vertem nesse teclado...

CORINTHIANS!!!

Seo Cruz disse...

Parabéns, Rivales, antes que termine o dia! A festa está, bem.... vocês sabem, mas parabéns!

Claudio Yida Jr disse...

Hahahhahhaahhahahaha...