02 setembro 2009

Viva nossos salvadores


O lançamento do Blog do Planalto nesta semana mostra a quantas anda o alinhamento do governo federal com as novas ferramentas de comunicação. Lula, que há muito tempo é defendido de maneira quixotesca na web por alguns malucos - entre os quais eu me incluo -, deve ter percebido nos blogues e que tais a possibilidade de eliminação da subjetiva objetividade dos jornais, revistas e emissoras de TV e rádio golpistas, além da garantia real para a pluralidade de idéias.

Lógico que a investida governamental sofreu paulada a torto e a direito assim que entrou no ar, tal qual o Blog da Petrobrás. A primeira grande crítica foi sobre a inexistência dos comentários. Ora, todos sabemos como essas coisas funcionam e o governo federal também, pois contratou gente que entende do riscado para o projeto. É óbvio ululante que a caixa de palpites seria tomada por uma horda de trolls - aqueles bobos que, propositadamente, adoram usar argumentos rasos para acabar com qualquer debate -, uns doutrinados pelos próprios veículos de comunicação consolidados e outros prestando serviço a adversários políticos (procurem no Google o caso Nassif/Merengue).

Cornetagem inconseqüente à parte, o troço foi um sucesso. Travou de maneira espetacular no primeiro dia por conta da banda de acesso insuficiente. Na minha opinião, essa modesta projeção de audiência foi o grande erro na criação do Blog do Planalto, já que não levaram em conta os mais de 80% de aprovação popular de Lula. Afora essas particularidades nerds, é preciso tratar de outras questões envolvidas, e talvez elas consigam justificar por que mídia e forças conservadoras rejeitem tanto a iniciativa de inserção online do governo.

Diz a imprensa que o blogue é personalista e não governamental, que o presidente apenas segue modismos e que, contraditoriamente à primeira acusação, o blogue é escrito por terceiros, entre outras azedices. Francamente, tal reducionismo só demonstra a inveja e, principalmente, o medo dos jornalões com a concorrência, haja vista a perda de leitores e credibilidade a cada dia. Volto ao ponto da inexistência de comentários para lembrar o modus operandi de inúmeros funcionários desses mesmos jornalões que, quando não fazem do ato de comentar um tremendo processo burocrático, censuram vergonhosamente qualquer opinião contrária. E eu só jogo no ar que muito colunista consagrado por aí manda estagiário fazer o seu trabalho sujo...

Nesse troca de tiros virtual, tive a infelicidade de ler um sujeito que se autodenomina expert em mídias sociais (isso é comum na internet) dizer que, enquanto Lula se enrolava para fazer mais do mesmo, o governador José Serra mostra como se comportar na rede - ele se referia às bobagens postadas pelo tucano no Twitter. Bom, se o Serra é tudo-de-bom-nesse-mundo, por que ele não começa a explicar a guerra de polícias em seu mandato, o buraco na linha 4 do metrô, as propinas da Alstom, o superfaturamento no Rodoanel, os aumentos constantes e abusivos dos pedágios, o arrocho salarial dos professores e, claro, a postura pouco investigativa de sua bancada na Assembléia e sua gestão altamente proibitiva e excludente?

Colado a essa discussão está o desmantelamento do projeto do senador comunista Flávio Dino, que sugeria mais liberdade na propaganda eleitoral dentro da internet para tentar igualar as condições de disputa. Adivinha quem foi o responsável pela restrição de grande parte das melhorias propostas por Dino? Ele, o totem dos assuntos cibernéticos do Congresso, o senador Azeredo, aquele que quer criminalizar quem faz download. Azeredo, Serra e todo o PSDB são os nossos salvadores (privatizam até os próprios blogues, os tucanos). E o Lula? Bem, o Lula é um inútil analfabeto que não entende nada do que está fazendo - e isso eu escuto desde 1989.

3 comentários:

Claudio Yida Jr disse...

Vejam aqui o que passou na CCJ e que agora vai a plenário no Senado.

Resumindo: "Durantes as eleições, portais, sites de notícia e blogs estarão proibidos de emitir opiniões favoráveis ou desfavoráveis a qualquer candidato".

Viva o Azeredo e o Marco Maciel, relatores da proposta!

Filipe disse...

Esse leilão é das coisas mais infames que eu já vi a tucanagem fazer.
E hipócrita. Eu, que não tenho vivência partidária militante, entendo perfeitamente o que quer dizer esse "Entristece-nos ver nosso trabalho “abandonado”"...
Cara de pau e bunda mole sem tamanho. Aprendizes dos chuchus azeredos...

Marco¹³ Costenaro¹³ disse...

Muito bom texto, parabéns.

Saudações alvi-verdes.