03 novembro 2009

Decifrando mensagens


As palavras dos mandatários de Corinthians e palmeiras garantem: em 2010, o clássico entre as duas equipes acontece na capital. Diante de outro fracasso de público no último confronto, realizado em Prudente/MS, tampão e o professor mudaram rapidamente seu discurso e o que antes era ótimo e rentável virou "situação excepcional".

Notem que tanto um quanto outro não mencionam o prejuízo dos bandidos marginais que, no meio de um feriadão de sol, se dispuseram a viajar mais de mil quilômetros - 1.200km, para ser exato, como bem frisa o Barneschi - para assistir a um jogo aquém do histórico épico do derby, muito por conta dos 40º que fazia naquela cidade de merda e do sol das 15h. A preocupação dos dirigentes não é com quem os sustenta jogo após jogo, faça chuva ou faça sol, vendo craque ou perna-de-pau.

O tampão, por exemplo, jogou a bronca nas costas do Fiel Torcedor. Porém, todos sabemos que os reais motivos vão além dos números do nosso cambista oficial. Os problemas que o esvaziamento do clássico podem trazer na comercialização de diversos "produtos" (um cuspe) relacionados ao Coringão e ao próprio jogo são exemplos que podem acabar prejudicando inclusive as famosas comissõezinhas. O associado do Fiel Torcedor quer saber mesmo é quando irão baixar os preços nesse Brasileiro que já não vale mais nada.

À margem desse vergonhoso jogo de cena, é preciso que a gente
sempre se lembre daquelas reuniões e cortejos ao pessoal do jd. leonor, a fim de manter no ar a apreensão. Sanchez mencionou a realização da partida no Pacaembu, mas o diretor de marquetim cogitou a volta ao panetone dias atrás. Belluzzo, por sua vez, afirmou, enigmático, que "A torcida do palmeiras, por exemplo, vai ao Pacaembu, mas não vai ao morumbi, que é um estádio rejeitado pelos torcedores palmeirenses, não sei por quê". A declaração poderia ter acabado antes do "não sei por quê" destacado, fosse a decisão de não jogar mais no privadão algo em que se pudesse confiar.

Consideremos, portanto, todas essas declarações cifradas dos dois presidentes envolvidos como um descaso muito grande com a história, a torcida e as tradições dos clubes que administram. E os que foram à cidade de merda hão de concordar: aquilo ali não tem um milésimo da atmosfera de um Corinthians x palmeiras em SP.

Amanhã, um post sobre os gastos com pedágio, misturando futebol e a famigerada Hora da Patrulha.


9 comentários:

Bruno Ferraz (sOUL) disse...

sei não, isso ta com cheiro de merda a vários dias.

Vamos ver os próximos capítulos de roxemberg e o panetone.

Abraço Mano!

Mônikita disse...

Claudio

Claro que PRUDENTE não mais...

Mas o tal fracasso desse jogo se deve a torcida falida deles ... pq além de serem os mandantes e terem colocado o ingresso s 50 conto... e tinha que se institucionalizar sim... eu te pergunto:

SE O CORINTHIANS QUE ESTIVESSE NA SITUAÇÃO DELES NO CAMPEONATO BRASILEIRO PAU A PAU COM OS BIXAS E UM JOGO DECISIVO CONTRA ESSE NÓIS
QUAL SERIA O PUBLICO???

(...)

Sem mais e sem recibo pra PORCO!


FIM

AQUI É CORINTHIANS!

Arthur Tirone disse...

O mais nojento foi o Palmeiras (jamais escreverei o nome deles em minúsculo; apesar do meu ódio, merecem meu total respeito) abdicar do verde pra gente jogar de preto num sol que só faz no Pantanal e na caatinga nordestina. Isso foi atitude de gente safada!

Filipe disse...

O puteiro é do pudê público corrompido. A abutraiada faz a cama, os fogos de artifício, a purpurina e a maquiagem. As putinhas corrompidas compram, dando como pagamento a própria alma.
E a bola é da madame, se não jogar com as regrinhas que ela quer, ela manda chamar o dono do puteiro. O dono do puteiro garante à madame passar de fase sem precisar jogar, governador pousando no centro do campo, governador pressionando árbitro no banco de reserva, porrada no árbitro que não dançar conforme seu desafino, e ninguém que queira perder suas benesses diante da turminha do dono do puteiro iria ousar discordar de madame.

O puteirinho será salvo, não irá falir pela quinta vez. O privadão ganhará acesso (!!!) por monotrilhos, do aeroporto saturado e quase mortal até o privadão inóspito - ISSO É MAIS DINHEIRO ATOLADO naquela merda sem sentido NENHUM -, avenidas que higienizam bairros mais facilmente que escolas e hospitais, e o tampão estará contente, que o dele já foi e na reta dele nunca mais; o professor porquinho droopy sai da sociedade filodramática e dançante feliz - se ele não sabe por quê de 1942, quem seremos nós para ensinar a um porco de merda, não é mesmo?; roxemberg, roxo de alegria.
E o cemitério de corpos penados sem alma continuará lá.
Sempre esteve nas mãos institucionais de um e de outro. Mas o que tem de desavisado que arrota que "não tem problema" jogar ali, não tá no gibi. ACORDA, FIEL!

diretoria DE MERDA
anticorintianada DE MERDA

Claudio Yida Jr disse...

Brunão, também acho o cheiro dessa trama meio estranha.

Monikita, é fato que a torcida verde não faria metade de uma mobilização nossa nessa situação. Porém, ideologicamente, eu acharia ótimo se ninguém tivesse ido, por mais contraditório que possa parecer a minha presença lá.

Favela, bem lembrado esse ponto da camisa, apesar de achar que ela nos dá uma sorte danada. Sobre o palmeiras com maiúscula, até tentei um dia e não rolou, mas claro que não por conta de desrespeito. Abraço, mano!

Bruno Ferraz (sOUL) disse...

Porra velho, to começando a ter o mesmo problema que você e o Filipe, anônimos ignorantes e acerebrais, lá no meu blog.

Depois da uma olhada no comentário to infeliz no meu ultimo post.

Puta que la merda!

Abraço

Tiago Marconi disse...

Aí, cara. Futebol e comunismo, acho que vai te interessar: http://www.canchallena.com/1194006-el-futbol-comunista

PS: ingressos para Toyota Desafio al Gallo reservados e pagos. Vai, Corinthians!!!

Claudio Yida Jr disse...

Bela sugestão, Tiago!

Destaco essa parte:

"En los años de la Guerra Fría, el comunismo y el capitalismo trasladaron su batalla al deporte. Los atletas comunistas marcaron historia en los Juegos Olímpicos y fueron símbolo de una fenomenal política de cultura deportiva y preparación científica. La caída del Muro destapó la contracara del doping y la extorsión política. Las piedras, eso sí, cayeron de un solo lado. Occidente prefiere llamar "libertad" a las manifestaciones chauvinistas de sus campeones. Y calificar de errores individuales sus políticas de doping planificado."

Forza Palestra disse...

Pois é, meu caro, muito jogo de cena até agora e nada se confirmou. O que eu agora ouvir é alguém que tenha a dignidade de dizer "Prudente nunca mais". Tá faltando alguém dar um murro na mesa e acabar com essa palhaçada.
Abraços