13 maio 2009

Desobediência cívica


O Brasil tem um péssimo costume de desvirtuar valores. Os brancos do poder constituído apareceram em 1888 com um 13 de maio que hoje ou é ignorado ou é erroneamente apresentado como a mais expressiva ação de liberdade. Foi assim que nasceu o preconceito velado, sintetizado na frase "eu não tenho nada contra preto", dita enquanto o branquinho pensa "fora da minha casa e da minha família".

Interessante é o comportamento desse preconceituoso. Ele aprecia um bom samba ("de buteco chique, por favor"), a-do-ra aquele terreirinho fajuto comandado por gente que lê Allan Kardec e até sentaria na mesma mesa que o Pelé, mas só porque ele AGORA tem classe e elegância e vive indo para a Europa. Vejam só a lógica dessa corja: a gente embranquece o negro, pega o que ele tem de mercadológica ou socialmente aceitável e alivia o peito com um relacionamento de aparências.

Também está na moda o branco falar sobre as cotas. A grande maioria é contra, porque não quer o Estado criando "uma situação de exceção". Como se os negros não tivessem vivido sob essa condição por mais de 400 anos... Pior ainda são aqueles que trocam boca por cu, chegando a dizer que preconceito é o negro entrar em universidade via cota. Não, branco imbecil, é reparação histórica!

Ao contrário dessa deturpação toda, o 13 de maio deve ser lembrado como marco inicial da luta incessante desse povo que sempre foi (sub)julgado pela cor da pele e sempre teve que ficar provando competência porque tem a pele preta. Desde pequeno, eu aprendi que preto é ladrão, que preto é inferior, que preto não presta e que preto só faz merda. Por sorte, fui uma criança bastante desobediente. Mal sabia eu que essa desobediência era um ato cívico, do qual me orgulho muito.

Negro é raiz!


6 comentários:

Bruno Ferraz (sOUL) disse...

Negro é Raíz.

Melhor colocação impossível.

Nunca tive incentivo contra os Negros, alias, se eu pudesse ter escolhido nasceria negro, minha avó é negra, meu pai é mulato, minha religião é afro-brasileira, meu gosto musical é negro, minha alma é negra.

E eu odeio racista cara, por mim, os queimariam como na inquisição.

"enquanto a cor da pela for mais importante, o mundo sofrerá sofrimento constante" 3 preto na marginal - Rosana Bronk's.

Abraço Claudião !

Daniel Damásio disse...

Acrescente também neste comportamento descrito do preconeito velado um cara que não nega um bom sambinha sincopado só por moda, porque adora pagar pau pra estrangeiro meia-boca. Isto é comum em muito crítico e intelectual fajuto como teve um aqui em Aju.

Todo dia é dia de ser Negro. E graças a Deus que eu nasci dessa Raiz! Vou linkar! Parabéns!

E FOGO NO FRU-FRU!!!

Claudio Yida Jr disse...

Brunão e Daniel, esse país tem uma dívida impagável com todos os negros. Começasse a pagá-la hoje, nem em 10 gerações ela seria reparada. Nem por isso devemos nos omitir e continuar permitindo que os negros sejam discriminados e recriminados.

Todo brasileiro é preto!!!

E vai Corinthians, pra cima do Florminense!

Forza Palestra disse...

Por falar em cores, bonita essa personalização laranja na barra do vídeo do YouTube.

Fábio Mendes disse...

O primeiro passo para que uma data seja esquecida no País é transformá-la em feriado. Vide 7 de setembro, 15 de novembro, Páscoa e outras datas. Alguém realmente sabe o que significam?

Por aqui vai acontecer o mesmo com o dia da Consciência Negra. E também aconteceria com o 13 de maio, se fosse feriado. Vai todo mundo pra praia e o resto que se foda!

Quanto às cotas, discordo frontalmente. O que precisamos é dar condições dignas para todos viverem. Colocar cotas nada mais é que mascarar a realidade. Daqui a alguns anos, as faculdades estarão cheias de gente "de cor" e as autoridades vão dizer, de boca cheia, que o país vive em igualdade, enquanto os outros pretos tomam porrada da polícia nas favelas.

Sem falar que as cotas vão beneficiar negros com melhores condições sociais, que estudam em boas escolas e poderiam muito bem conquistar suas vagas nas universidades sem essa moleza. E os pretos que não têm condições financeiras? E o branco pobre?

Os negros sofreram muito no Brasil em toda nossa história, mas dar cotinhas achando que isso vai resolver o problema - ou vai calar os negros - é hipocrisia. Porque os defensores das cotas não cedem o lombo para umas chicotadas, só pra variar? Reparação histórica é isso aí!!!

Claudio Yida Jr disse...

Fabio, uma coisa não exclui a outra. Da mesma forma que se banalizam datas com feriados, banaliza-se a luta usando discursos amplos. É óbvio que as melhorias sociais de base devem ser promovidas. Mas quanto tempo isso vai melhorar?

No mais, quantos negros você conhece que têm essas "condições melhores"? E para os outros, o governo federal já disponibiliza programas como o Prouni. Ou você também acha que o Bolsa-Família é cala-boca para pobre? Sendo cala-boca com comida, é válido.

Finalmente, eu defendo frontalmente os direitos homossexuais e nem por isso preciso sair por aí dando o cu.