15 março 2010

Dois em um


Fim de semana cheio de acontecimentos merece um post gigantesco, que será quebrado em dois para contemplar tudo o que eu tenho para falar.

- Fuck You, Axl Rose

Não, não é um protesto contra o cantor-símbolo da geração que cresceu escutando, a cada cinco minutos, "Sweet Child o' Mine" em todas as FMs, numa época em que as rádios ainda recebiam jabá para tocar músicas de qualidade. A expressão que abre o texto saiu da boca do próprio Axl durante a apresentação do Guns n' Roses aqui em SP e pode ser uma síntese da transformação pela qual passou essa que foi a maior banda do planeta na década de 90. Mesmo um pouco rouco, o agora tiozinho da bandana mostrou que ainda tem muita lenha para queimar.

A Evinha resumiu perfeitamente a apresentação: "foi o maior show que eu vi", tanto na duração quanto na imponência. Apesar de um som péssimo que fazia a voz do vocalista ir e vir constantemente (injustificável problema se você cobra R$200 num ingresso de pista), estávamos diante de um monstro até há pouco adormecido. O hiato desde o desmanche da formação clássica do Guns até o lançamento do "Chinese Democracy" - permeado por algumas tentativas de retomada às vezes constrangedoras - deve ter feito bem a Axl, que vem arrebentando nessa turnê.

Não há mais aquela rebeldia incontida e, obviamente, muito forçada do loirinho que tocou aqui em 1991 no Rock in Rio II. Também não dá para dizer que estávamos diante de um pároco, pois logo na primeira música veio a ameaça de sair do palco depois que ele foi atingido por algum objeto vindo do público da tal "Pista Vip"... Fato é que aquele espírito de porco se transformou em sarcasmo (vide o "Fuck you, Axl Rose" autofágico) e hoje o cara está se divertindo
no palco, o que torna as coisas muito mais interessantes. O essencial, porém, não se perdeu: Axl ainda canta demais.

O gogó em dia ajudou na execução dos clássicos, os pontos altos que se contrapuseram às músicas do novo álbum, bem fraquinhas. Foi inesquecível a oportunidade de escutar, ao vivo, "Mr. Brownstone", "You Could Be Mine" e "Welcome to the Jungle", além de "November Rain", que fez a Evinha se desmanchar em lágrimas. Foram mais de 2 horas e meia de muito barulho, virtuosismo nas guitarras, luzes, explosões e tudo o mais que um grande show de rock deve ter. Na noite do último sábado, assisti ao filme de minha adolescência inconseqüente, e a trilha sonora era perfeita.

P.S.: vale falar do passa-moleque que Axl Rose deu nos babacas da casa noturna que disseram ter contratado o Guns para um "show surpresa" que todo mundo sabia. Resumidamente, ele preferiu tocar para um estádio cheio de fãs a agradar meia dúzia de paus-no-cu. Finalmente, não posso deixar de mencionar a péssima escolha do chiqueiro para receber a apresentação paulistana. Sair daquele lugar é missão impossível por conta das escadas montadas no vão entre as arquibancadas e numeradas e o campo.

--------------------------

A estréia do Corinthians

O Corinthians finalmente estreou no ano do seu Centenário. Jogando de maneira organizada e matando a partida nos primeiros 15 minutos, o Coringão retomou o esquema com 3 atacantes de 2009 e desbancou um adversário direto na busca pela classificação às semifinais do Paulistão. Destaque novamente para Dentinho, que fez nosso gol de número 10 mil, e para Roberto Carlos, que chegou da Turquia, fez seu debut com um golaço e comemorou a la Neto.

Curioso foi ver que o time resolveu a parada quando a baleia disforme resolveu correr. Foi ele quem deu o passe para os dois gols, de maneira brilhante, mas parou por aí. Talvez satisfeito com sua performance, ele voltou à velha postura de pepino do mar, perdeu 3 gols imperdíveis e só mostrou mobilidade quando voltou a chover - as baleias, apesar de mamíferas, precisam de água para se locomover.

Além dos destaques individuais, o que mais a Fiel deve valorizar é o posicionamento tático. Ainda contando com algumas falhas da zaga com as quais estávamos desacostumados (o William precisa, de verdade, treinar jogadas pelo alto), é notável a melhora em relação às últimas partidas. Tabelisticamente, trata-se de um belo resultado, que dá moral para a batalha do Paraguai na próxima quarta-feira. Acredito numa vitória suada, do jeito que a gente gosta.

Mas suado mesmo é ir até aquela merda de Arena Barueri. Além de ficar longe de tudo (e eu moro do lado do Rodoanel), a tal propaganda de que se trata de um local moderno e confortável é mentirosa. Logo na entrada e nos banheiros, alagamentos por toda parte. O estacionamento é um caos e muito caro, a arquibancada não permite uma visão total do campo - não vi se o primeiro gol tinha entrado ou não porque a parte inferior da meta fica encoberta pelo muro que segura o alambrado - e os acessos ao estádio parecem igarapés. Mais ainda, é revoltante uma cidade com tantos problemas de infraestrutura como Barueri usar seu orçamento na construção de um lixo desses, ao invés de investir em melhorias básicas (não precisa nem ir muito longe, pois atrás do estádio tem uma favela que iria comemorar e muito a construção de, sei lá, uma escola).

Ao chegar em casa depois de uma hora e meia de trânsito, fiz um juramento: não piso mais naquela bosta. Se o Corinthians resolver mandar todos os jogos lá daqui para frente, encerro minha vida de arquibancada. Essa diretoria é brincadeira...

VAI CORINTHIANS!

12 comentários:

Hiran Eduardi Murbach disse...

queria q o show fosse na fazendinha? além de pequeno e ruim, é longe pra caralho? =)

Álvaro disse...

Eu posso estar confundindo, mas sempre li que a "Arena" é super-mega-moderna.

Além de tudo é uma bosta?!?

O público de ontem foi de 7.800 pessoas. Será que não dava para jogar na fazendinha? Ou no Paca para um público maior?

Claudio Yida Jr disse...

Hiran, a Fazendinha é o estádio mais romântico de SP.

Alvaro, é tudo mentira dessa imprensinha. Talvez eles falem isso porque param o carro em área reservada e são recebidos com regalias bancadas pelo dinheiro público. Havia muitos alagamentos - e a chuva nem foi tão forte por lá - e a arquibancada atrás do gol não permite que se veja a linha de fundo e nem a parte inferior das traves. Se fosse no Pacaembu ou na Fazendinha, 15 mil pessoas fácil!

Corinthiano disse...

Claudio,
Sobre o show nd a declarar, era da minha época mas prefiro outras bandas.

10.001 gols! Merecia um Pacaembu, Maraca... Falando nisso, qdo fui naquela merda de arena fiquei com a mesma sensação, até a torcida estava se comportando de maneira estranha, é um estádio frio e SEM ALMA, é "bonitinho", porém, ordinário e no final das contas o único motivo pra jogar naquele lixo era a grana, está provado que mesmo pagando um aluguel carissímo no Paca, ainda sim é rentavel e confesso não me animei em viajar até barueri ontem, ainda mais nesse horário que inventaram. Ah! tem mais um mando de jogo na arena, triste!

VAI CORINTHIANS

Clayton

Mônikita disse...

Nossa concordo com vc essa diretória é brincadeira

AFF

VAI CORINTHIANS!

Tito disse...

Prepare-se vc pisou em solo sagrado e transformações ocorrerão. você escolhe:
(a) Vira tucano
(b) Vira Viado (Bambi)
(c) Evolui e se torna Palestrino !!!

Sacanagem!
Abs

Alex disse...

Oi

Eu tenho um site que é uma rede social voltada para esportes.

Você pode enviar os links da suas matérias e os internautas que visitam o meu site podem conhecer o seu blog.

Para acessar o Busca Esporte:
http://buscaesporte.com.br/

Ou se quiser ver todas as notícias do corinthians:
http://www.buscaesporte.com.br/corinthians

Abs, Alex Costa

Daniel disse...

Claudio e Álvaro, vcs têm toda razão, essa diretoria de merda poderia mandar os jogos na Fazendinha. é sempre um orgulho ver o TIMÃO jogar lá.
E não precisa nem de reforma (mais uma pataquada do Xanxes) para jogar pra 8000 contra um Sto. André da vida.
Queria comentar um outro assunto com vc: vc sabe se teremos alguma festa para o POVO no ano do centenário? ou o POVO só vai participar do centenário sendo assaltado nos ingressos? o bizines vai tirar do POVO a maior celebração que o planeta já viu?

Claudio Yida Jr disse...

Provavelmente não. O povo está fora do Centenário do Time do Povo, ao menos em suas comemorações oficiais. Nego abre um bar do Corinthians na Vila Olímpia e ainda cobra R$25 pra quem quiser entrar. Mas o que esperar de uma diretoria que é composta, justamente, por quem não é corinthiano?

Comemoremos na rua, bebendo e gritando Corinthians, como sempre fizemos.

Hiran Eduardo Murbach disse...

o estádio mais romântico é o da Rua Javari, depois o Pacaembu, e depois o Canindé. Quer saber, estádio romântico é meio coisa de viado, ne?

Claudio Yida Jr disse...

É, pensei nisso mas não achei outro termo hahahahahaha...

Ainda assim, coisa de viado mesmo é o Armeraition. Rá!

Falando em Javari, clássico nesta quarta-feira, às 15h: Juventus x XV de Jaú.

Filipe disse...

Javari é o caralho.

Se o Corinthians jogasse na Fazendinha teria 77 mil fácil.

Essa da baleia quando chove foi do caralho.

E ficou muito bom o "Chuta que é macumba" Centenário.

NO MAIS, HOJE É GUERRA!!!

E o CORINTHIANS SE COMEMORA EM TODO E QUALQUER LUGAR!!!

VAI CORINTHIANS!!!