05 março 2010

O fim chegou antes da hora


Desde 2007, este blogue vem dizendo que a Copa de 2014 no Brasil seria um marco negativo para o futebol. O evento, tratado desde já com toda pompa e soberba, só irá servir à modernidade que está sendo imposta goela abaixo ao torcedor de verdade. No entanto, parece que houve um erro de leitura de minha parte, pois a morte anunciada para daqui quatro anos assombra as arquibancadas neste exato instante.

Senão, o que dizer do caso de proibição dos palavrões nos estádios da Paraíba, sob a alegação de que é preciso transformar o ambiente num lugar mais decente e favorável à família? Pior ainda é a aceitação passiva da massa, sem contestações ou revides. Como não ficar abismado com o relato preciso do nosso amigo João Medeiros, relatando que o sistema de som do Maracanã disparava ao público
"para seu maior conforto e segurança, assista ao jogo sentado" durante a final da Taça Guanabara?

Essas são algumas facetas da tão propalada modernidade, que nunca trouxe nenhuma contrapartida. Acabaram com os campeonatos com confrontos diretos, sob a alegação de que os modorrentos pontos corridos seriam uma forma mais justa e organizada, evitando, inclusive, remarcação de jogos que era constante. Ao torcedor, prometeram mais conforto durante o "espetáculo" (a escolha da palavra foi proposital) e comodidade na compra dos ingressos. Tudo isso se comprova mentiroso, já que a Globo mexe na tabela como quem troca de cueca e os problemas na aquisição de entradas são os mesmos de sempre. Pior, quando alguém faz algo que valoriza o torcedor de verdade e cria um programa de fidelização, vem um canalha chamado Rafael Corrêa e faz um lixo de matéria criticando o troço, chegando inclusive a criminalizar quem se associa ao referido programa.

É um processo de elitização fortíssimo, aliás, de reelitização, já que as madames e os barões nunca aceitaram que o povo tenha tomado conta do futebol no início do século XX. As balelas, como sempre, são bancadas pela imprensa esportiva, que vive a condenar aqueles que nos dedicamos inteiramente ao time de coração. Os nobres jornalistas, do alto de suas pautas mal-feitas, só esquecem de informar aos brasileiros que, para essa festa de 2014, ninguém da baixa casta está convidado.


Como se não fosse o bastante a agonia diária, eis que o presidente da FPF vem à público justificar os injustificáveis horários esdrúxulos do Paulistão 2010, cravando em nosso peito a lança do destino. O Barneschi reproduziu as principais pérolas em seu blogue e eu destaco o trecho mais revoltante: "Para o presidente da FPF, o Paulista é feito para públicos distintos. E o trabalhador que tem de levantar cedo no dia seguinte, diz Del Nero, deve evitar ir aos jogos das 21h50.'O Paulista é 100% televisionado. Ele pode acompanhar a partida de casa'".

Aqueles que nos chamavam de lunáticos com mania de perseguição há 3 anos terão de rever seus conceitos, ainda que isso jamais signifique uma vitória, posto que o fim do futebol é o nosso próprio enterro.

Mais:

- Copa das Elites (ou 2014 parte II)
- Copa 2014: um monstro devastador
- Museu do Futebol: o engodo II

-------------------------------

*Atualização: No Paraná, aquele Estado da federação totalmente dispensável e que poderia ser incorporado por São Paulo e Santa Catarina, mais um engraçadinho quer se aproveitar do futebol para fazer campanha política. O secretário de segurança Luiz Fernando Delazari colocará bafômetros nos portões dos estádios para impedir a entrada daqueles que bebem sua cachacinha ou sua cerveja.

5 comentários:

Michel Toniato disse...

É cara a coisa tá feia, não sei onde isso tudo vai parar, a cada dia que passa esses dirigentes de merda encontram uma nova maneira de foder nossas vidas.
E o que me deixa ainda mais puto, é o cinismo das declarações desses desgraçados

Higor disse...

Ta uma baita putaria.O futebol é vendido pra 'glóbulo' e quem se fode é o torcedor!

E so pra registrar, sobre o Fiel Torcedor, concordo com vc.Quem fez o FT, também é torcedor comum.

É NÓIS!

João Medeiros disse...

Tá foda, Japonês.

A elitização chegou "di cum força" no Maior do Mundo. Dá nojo assistir um jogo de futebol com essa campanha de "adestramento" do torcedor em curso. Não sei nem o que dizer. E mais essa agora...Bafômetro em estádio? Puta que pariu !!!!!!!!!!!!!
Espero que o bom senso prevaleça e algum entendido em direito consiga uma liminar ou coisa que valha derrubando essa medida descabida e imbecil. É bom lembrar que ficar bêbado NÃO É CRIME. Pelo menos por enquanto.

Nando Abreu disse...

Li um texto seu sobre a CLT e gostaria de enviar por e-mail para meus amigos, enviando antes para você, para que aprove. Não consegui localizar seu e-mail.

Peço a gentileza de me confirmar se poderei proceder.

Grato pela atenção
nandoabreu (arroba) gmail.com

Forza Palestra disse...

Meu grande amigo,

Desculpe a demora, mas é que os últimos dias foram de muita reflexão sobre isso tudo que atormenta a cabeça dos verdadeiros torcedores. Pensei muito e procurei não ficar caçando ainda mais coisa pra minha cabeça, de tal forma que somente hoje fui retomar a leitura dos blogs.

Aí é claro que concordo com tudo e vejo que estamos cada vez mais sozinhos nessa pregação contra o futebol moderno. Pois é, virou pregação mesmo. Tá cada vez mais difícil.

Abraços

P.S.: Sobre a história dos bafômetros no PR: isso já acontece no Uruguay. Lá no Nacional x Palmeiras do ano passado, alguns manchas ficaram pra fora do estádio (e tiveram que pagar uma multa) só porque tinham bebido antes do jogo. O fim está muito próximo...